Mais vale a lágrima da derrota, do que a vergonha de não ter lutado. (Bob Marley)

sábado, 18 de outubro de 2014

LIVRO: AVALIANDO EMPRESAS/ INVESTINDO EM AÇÕES (SEGUNDA PARTE)

       Boa Noite! amigos, concluindo a resenha desse livro, confesso que aprendi algumas coisas, outras já tinha conhecimento, algumas  não concordei com o autor, como essa questão de preço alvo citada pelo autor no capítulo 10, segundo o mesmo existe uma fórmula, com base na técnica de fluxo de caixa descontado que acha o preço alvo ou "upside", más se o autor se prestou a escrever um livro sobre análise fundamentalista, existiria a necessidade de incluir essa parte no livro ? 
       No capítulo 8, o mesmo fala sobre indicadores de mercado, como P/L, (Preço/lucro), dá importância de não comprar ação de empresa baseado apenas em P/L baixo, sempre olhar outros dados fundamentalista da mesma.
     Ao observar relação P/VP muito alto pode indicar valorização especulativo, ou seja ter cuidado em comprar estas ações.
       No capítulo 9, o mesmo fala sobre as empresas small caps, que temos que ficar de olho na liquidez da mesma, uma queda dos fundamentos, poderá dar muita dor de cabeça ao acionista para sair da mesma, ficar de olho no custo de capital da mesma, geralmente são maiores, em relação as large caps e blue chips, más em contrapartida os autores falam que as maiores possibilidades de enriquecer são com as mesmas.
      No capitulo 11, o mesmo fala sobre balanceamento e diversificação da carteira, o mesmo inclusive apresenta um fórmula para o risco da carteira.
      O capítulo 12 apresenta critérios para selecionar empresas de crescimento: vou citar, os mesmos:
  • originalidade dos produtos
  • capacidade de implementar ideias que impulsionem os negócios
  • produção de gêneros essenciais ou com grandes demandas futuras
  • diversificação de produtos e de mercados
  • incremento na performance administrativa
  • grandes descobertas científicas
  • associação d empresas a valores sócios ambientais.

     Os capítulos seguintes os mesmos falam sobre catástrofes, crises internacionais e guerras que podem comprometer o mercado, más que sempre as mesmas recuperam, falam sobre ogerenciamento da carteira e fazer reavaliação permanente da mesma.
     A leitura sempre acrescenta algo aos nossos conhecimentos para o pequeno investidor, mesmo que nem sempre tudo que estão nos mesmos a gente concorde. 
    Continuarei a comprar livros, quero ler agora um de fundo imobiliário, talvez um do Warren buffet. espero que tenham gostado, um abraço e até o próximo post.




quinta-feira, 9 de outubro de 2014

LIVRO: AVALIANDO EMPRESAS/INVESTINDO EM AÇÕES ( PRIMEIRA PARTE)







      Olá colegas do mundo dos investimentos, farei uma resenha desse livro que acabei de ler, dividirei em duas partes para não ficar muito massante, achei o livro interessante para quem não  tem nenhum contato com o mercado de ações,  trata-se de um bom livro de introdução no mundo dos investimentos.
     Segundo os autores,  o investidor inteligente sempre deverá manter-se atento ás melhores oportunidades de entrada e saída.
    No capítulo 1 fala da importância dos indicadores macroeconômicos como índices de inflação, taxa de juros, câmbio, risco país, PIB, gastos do governo, balança de pagamentos, dívida externa.
      O capitulo 2 é muito interessante, pois fala das características dos setores das empresas, vamos lá:

Imobiliário:: setor sensível a taxas de juros, e politica monetária, recursos da poupança, nesse setor segundo o livro devemos ficar atento ao fluxo de caixa das empresas, verificar o estoque de terrenos da empresa.

Aeronaves: grandes fatores de risco, sensível a acidentes e crises do petróleo, risco regulatório, crescimento econômico e aumento de renda da população.

Transporte e logística: depende do nível de atividade econômica, do investimento governamental em infra estrutura, extremamente regulado pelo governo.

Siderurgia e de Mineração: dependente da Taxa de crescimento da economia, principalmente dos países do BRIC.

Papel e celulose: impulsionado pelo crescimento dos países em desenvolvimento, setor sensível a variação cambial, preço do petróleo interfere nas perspectivas dos negócios também.

Concessão rodoviária: O tráfego de veículos está diretamente relacionado ao preço do combustível e também  pelo crescimento econômico que impulsiona a venda de veículos.

Telecomunicações: Impulsionado pelo crescimento da economia e do consumo, como fator de risco o excesso de competitividade que pode impactar nas margens, além de ser um setor altamente regulado pelo governo.

Energia: reage as perspectivas da economia, as principais empresas do setor estão em um alto grau de maturidade, não necessitando de muitos investimentos, sendo portanto um setor defensivo com bons pagamentos de dividendos, merece acompanhar o fator demanda versus oferta.

Alimentos: impulsionado pela distribuição de renda, reage ao sobe e desce do valor das commodities agrícolas, variação cambial, fatores de sucesso são a internacionalização e a diversificação de produtos.

Educação: setor promissor em razão da baixa escolaridade da população, no entanto o setor depende de um cenário macro econômico positivo com crescimento da demanda por profissionais formados.

Financeiro: Fatores como crescimento da economia, taxa de juros baixa e inflação controlada promovem aumento da receita com produtos de crédito como financiamentos e empréstimos, o maior fator de risco é o regulatório pelo governo através do banco central.


     No capitulo 3, trata da divulgação dos dados da empresa, onde achar no site da Bovespa e por aí vai...

    Gostei muito dos capítulos seguintes 4,5,6 e 7 que trata do balanço patrimonial e  estudo de indicadores.

    No capitulo 4, por exemplo fala do patrimônio líquido, que representa o capital próprio da empresa, ou seja a diferença entre ativos e passivos, composto de capital próprio, reservas de capital, lucros ou prejuízos acumulados, reservas para proventos não distribuídos.

    No capítulo 7 trata de diversos indicadores de balanço, os dois que achei mais interessantes  foram;

Liquidez corrente:  LC: Ativo circulante
                                       Passivo circulante
   Segundo os autores, representa quanto a empresa possui em relação a cada unidade monetária que deve no mesmo período, Por exemplo, se LC for igual a 0,80, significa que para cada R$ 1,00 de dívida, a empresa já possui R$ 0,80. O valor ideal para esse indicador é que seja sempre maior que 1.

Índice de Independência financeira (IF)   Patrimônio líquido* 100
                                                                   Ativo total

  O objetivo desse indicador é demonstrar o quanto dos investimentos em ativo da empresa é suportado pelo próprio patrimônio, quanto maior for a participação de terceiros nos investimentos da empresa, menor será independência em relação a eles, a situação ideal seria que a empresa apresentasse um pequeno grau de dependência em relação a terceiros.
    Na próxima semana publico a resenha da outra parte!



quinta-feira, 2 de outubro de 2014

OPERAÇÕES FINANCEIRAS E RESUMO DO MÊS DE SETEMBRO DE 2014

Salve! Salve! amigos sofredores do mundo dos investimentos.

            Esse mês quando estava fazendo o resumo do mês, deu uma certa depressão viu, a gente faz tudo certo, economiza, faz aportes e no fim do mês vê um tombo desse nos rendimentos, é de desanimar e repensar sobre a continuidade ou não em ficar aportando.
           O rendimento geral da carteira contando ações, fundo de ações, poupança, tesouro direto, fundo imobiliário foi negativo de 6,07% enquanto o rendimento da carteira de ações teve um desinvestimento de 10,88%.
           O pior é que as perspectivas para a economia não são nada animadoras para o futuro próximo, espero  que após  o resultado da eleição, o mercado dê uma acalmada, dando uma reagida no valor das ações.

 

         No mês de Setembro de 2014, comprei próximo a  dois lotes do Banco Pine, sigo confiante nessa ação, paga dividendos regularmente, a cada três mês e apesar dos últimos trimestres não ter crescido os lucros, no entanto o índice de eficiência e índice de basileia, ainda é interessante, como comprei antes da data ex, as ações compradas  terão direito aos juros sobre capital anunciados no final do mês de Setembro.


       No tesouro direto comprei 0,3 do título NTNB principal 15052019, como meio de proteção do momento turbulento do mercado de ações.


    
     O único alento no mês foi o crescimento do montante recebido como dividendos e do rendimento de fundo imobiliário em relação ao mês de Agosto..
                                
                                                                 Agosto            Setembro

Dividendos:                                         R$    162,52         R$ 530,01
Rendimentos Fundos imobiliários:   R$    113,75         R$ 132,35


      Torcendo para que dias melhores aconteçam em nossas vidas, tanto no mundo financeiro como na vida pessoal e no mundo espiritual,